UMA PERSPECTIVA SOCIOLINGUÍSTICA SOBRE IDENTIDADE E ESTERIÓTIPO NO DISCURSO HUMORÍSTICO STAND UP COMEDY

Palavras-chave: Variação Linguística

Resumo

 Levando em consideração os pressupostos sociolinguísticos (GÖRSKI et al, 2010; COELHO, 2015; CASSELLA, 2016), entende-se que a variação linguística é um traço natural e constitutivo de qualquer falante, devido às questões sociais e aos aspectos internos da própria língua. Não há, portanto, homogeneidade: toda língua é essencialmente heterogênea - pertinentemente provida a partir de um relacionamento social que determina a identidade de cada falante (HALL, 2006). Partindo dessas considerações iniciais, este trabalho tem como objeto de análise o gênero oral Stand-up Comedy. O corpus desta pesquisa é composto pelo vídeo “Sotaque” do humorista brasileiro Fernando Caruso, publicado em 2011, disponível na plataforma de vídeos do Youtube. Objetivamos demonstrar que certos discursos acabam criando formas estereotipadas de determinadas comunidades de fala, conferindo, assim, uma identidade distante do real cultural e linguístico que de fato constituem esses grupos. Portanto, os resultados revelam que parte do discurso do humorista reproduzem e reforçam esses traços estereotipados sobre as variantes linguísticas e seus falantes, e que grande parte da audiência corrobora com a discriminação de sotaques ou dialetos que compõem o tecido linguístico brasileiro.

Biografia do Autor

Angélica Prestes Rosas, Rosas, Universidade Estadual do norte do Paraná (UENP)

Graduado em Letras Português/Inglês, pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP/2018). Durante a graduação participou do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência de Língua Inglesa (PIBID), atuando nas escolas Estaduais da Cidade de Cornélio Procópio, tendo como aparato o uso dos gêneros textuais, os recursos multimodais e as capacidades de linguagem (2017-2018). Especializada em “Educação no campo e Ensino de Literatura Inglesa” (UNIFCV/2020). E-mail: angelica-prestes@outlook.com.

Referências

ANDRADE, Valdete Aparecida. Stand Up: Caracterização de um gênero oral sob a perspectiva da análise de discurso crítico (ADC). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2017.

ARAUJO, Marcilene de Assis Alves. A Linguagem e identidade cultural: uma abordagem Sociolinguística. Web-Revista SOCIODIALETO , v. 1, p. 1-19, 2011.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 31. ed. São Paulo: Loyola, 2004.

CARUSO, Fernando. Fernando Caruso – Sotaque. Youtube, 2011. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=L2GRJu_fX_U.

CASELLA, Cesar Augusto de Oliveira. A Representação da Variação Linguística em Tirinhas de Chico Bento (Dossiê História em Quadrinhos: Criação, Estudos da Linguagem e usos na Educação). Revista Temporis [Ação] (Periódico acadêmico de História, Letras e Educação da Universidade Estadual de Goiás). Cidade de Goiás; Anápolis. V. 16, n. 02, p. 82-96 de 469, número especial, 2016.

COELHO, Izete Lehmkuhl et al. O estudo da linguagem no contexto social. In: Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, p. 11-31, 2015.

CAMACHO, Roberto Gomes. Norma culta e variedades linguísticas. In: Caderno de formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica - Unesp, p. 34-49, v. 11, 2011.

CARVALHO, Leonora Guiné. Estereótipo e identidade em piadas sobre mineiro: uma perspectiva da análise do discurso. Três corações: Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações, 2011.

COUPLAND, Nikolas. Style: Language variation and identity. United States of America, New York: Cambridge University Press, 2007.

DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michèle; SCHNEUWLY, Bernard. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento In: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B.. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004, Pp. 81-124. (Trad. e org. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro).

FARACO, Carlos Alberto. Norma Culta, Norma-Padrão e Norma Gramatical. In: Norma Culta Brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

GUIDA, Ângela Maria; EVANGELISTA, Joelma Sampaio. De Minas para o mundo. Virtú (UFJF), v. I, p. 1-5, 2005.

GÖRSKI, Edair Maria; COELHO, Izete Lehmkuhl; MAY Guilherme Henrique. Sociolinguística. Florianópolis: UFSC, 2011.

GUY, Gregory. A Identidade linguística da comunidade de fala: paralelismo interdialetal nos padrões de variação linguística. Organon, Revista do Instituto de Letras da UFRGS, Porto Alegre, v. 28 e 29. p. 17-32.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2006.

LACERDA, Lucas Antonio. A representação da identidade do ‘Manezinho’: Entre a arte e a vida. Florianópolis: UNICAMP, 2013.

LOPEZ, Debora Cristina; DITTRICH, Ivo José . Identidade lingüística: regionalização ou padronização?. BOCC. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação, v. Único, p. 5, 2005.

MILROY, Lesley; GORDON, Matthew. Sociolinguistic: Method and interpretation. Oxford England: Backwell Publishing Ltd, 2003.

OLIVEIRA, Eliane Vitorino de Moura ; BARONAS Joyce Elaine de Almeida. A identidade adolescente e a variação linguística. Polifonia: Estudos da Linguagem , v. 18, p. 191-206, 2011.

PAGOTTO, Emilio Gozze. Variação e identidade. São Paulo: Instituto de Estudos da linguagem (UNICAMP), 2001.

TARALLO, Fernando. A pesquisa Sociolinguística. São Paulo: Ática, 1997.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos et al. Gêneros orais: conceituação e caracterização. In Anais do SILEL, vol. 3, n° 1 . XIV Simpósio Nacional de Letras e Linguística e IV Simpósio Internacional de Letras e Linguística. Uberlândia: EDUFU, 2013.

RIBEIRO, Regiane Regina; LOPES, Anderson ; PELINSON, Fabiana. Usos dialetais, estereótipos e preconceito linguístico na telenovela “Flor do Caribe”. Vozes e Diálogo , v. 13, p. 33- 47, 2014.

SEVERO, Cristina Gorski. A questão da identidade e o lócus da variação/mudança em diferentes abordagens sociolinguísticas. Revista Letra Magna, 2007.
Publicado
2020-10-16