A AÇÃO DA LIDERANÇA CRIATIVA NO MERCADO JOGOS ELETRÔNICOS (GAMES)

  • Jardiel de Moura Gomes
  • Fernando Gomes de Paiva Junior
  • Anderson Diego Farias da Silva
Palavras-chave: Gestão da Inovação, Criatividade, Liderança, Games

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever a relação entre a ação da liderança criativa e o mercado de jogos eletrônicos (games). Serão apresentados o cenário atual e os desdobramentos que são motivadores para o surgimento da classe criativa. O referencial teórico acercara os estudos da tríade criativa, abordagem que relaciona três elementos para o surgimento da gestão criativa: a cultura criativa, a liderança transformacional e o indivíduo hipercriativo. Por fim, será abordada a liderança criativa e o mercado de games em acordo com o último mapeamento da indústria brasileira e global de jogos digitais.

Referências

ADLER, Nancy J. Cross-cultural management research: The ostrich and the trend. Academy of management Review, v. 8, n. 2, p. 226-232, 1983.
INSIGHT, Ambient. The 2012-2017. Worldwide game-based learning and simulation-based markets, 2017.
ALENCAR, E. L. S. Desenvolvendo a criatividade nas organizações: o desafio da inovação. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n. 6, p. 6-11, nov./dez. 1995.
ALENCAR, E. L. S. A gerência da Criatividade: abrindo as janelas para a criatividade pessoal e nas organizações. São Paulo: Makron Books, 1996.
ALENCAR, E. L. S. Promovendo um ambiente favorável à criatividade nas organizações. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 38, n. 2, abr./jun. 1998.
ANDERSON, Neil; POTOČNIK, Kristina; ZHOU, Jing. Innovation and creativity in organizations: A state-of-the-science review, prospective commentary, and guiding framework. Journal of management, v. 40, n. 5, p. 1297-1333, 2014.
BARBUTO JR., J. E. Taking the charisma out of transformational leadership. Journal of Social Behavior and Personality, Novato, v. 12, n. 3, p. 689-697, Apr./Jun. 1999.
BASS, B. M.; AVOLIO, B. J. Developing transformational leadership: 1992 and beyond. Journal of European industrial Training, Bingley, issue 5, v. 14, p. 21-27, Sept./Oct. 1990.
BASS, B. M. Leadership and performance beyond expectations. New York: Free Press, 1985.
BENDASSOLLI, Pedro F; JR, Thomaz Wood; KIRSCHBAUM, Charles; PINA E CUNHA, Miguel. Indústrias Criativas: Definição, Limites E Possibilidades. 2009.
BENNIS, W.; NANUS, B. Líderes: estratégias para assumir a verdadeira liderança. São Paulo: Harbra, 1988.
BURNS, J. M. Leadership. New York: Harper and Row, 1978.
CHEE, Florence; VIETA, Marcelo; SMITH, Richard. Online gaming and the interactional self: Identity interplay in situated practice. 2006.
CHEN, Chi-Ying. Is the video game a cultural vehicle? Games and Culture, v. 8, n. 6, p. 408-427, 2013.
CORLISS, Jonathan. Introduction: The social science study of video games. 2011.
DOVEY, Jon; KENNEDY, Helen W. Game cultures: Computer games as new media: computer games as new media. McGraw-Hill Education (UK), 2006.
FLORIDA, R. A transformação do cotidiano. In: FLORIDA, R. A ascensão da classe criativa. Porto Alegre: L&PM, 2011, p. 1-17.
FLORIDA, Richard. The creative class and economic development. Economic Development Quarterly, v. 28, n. 3, p. 196-205, 2014.
FLEURY, Afonso; NAKANO, Davi; CORDEIRO, José H. D. Mapeamento da Indústria Brasileira de Jogos Digitais Pesquisa do GEDIGames, NPGT, Escola Politécnica, USP, para o BNDES, 2014.
GEDIGAMES, 2014. Grupo de estudos e desenvolvimento da indústria de games. Mapeamento da indústria brasileira e global de jogos digitais. Contrato BNDS-FUSP 12.1.0431.1. Fevereiro de 2014.
GEE, J. P. What video games have to teach us about learning and literacy. Nova Iorque: Palgrave Macmilan, 2007.
GEERTZ, Clifford. O impacto do conceito de cultura sobre o conceito de homem. In: A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC , p. 25-40, 1989.
GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a antropologia. Zahar, 2014.
INÁCIO JR, Edmundo. Empreendedorismo e liderança criativa: um estudo com os proprietários-gerentes de empresas incubadas no estado do Pr. Dissertação de Mestrado, PPA/UEM, Maringá, 2000.
HALL, S. Estudos culturais: dois paradigmas. In: HALL, S. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Editora UFMG, 2003, p. 131-159.
HATCH, Mary Jo; CUNLIFFE, Ann L. Organization Theory: Modern, Symbolic and Postmodern Perspectives,(Oxford: Oxford University Press). 2006.
HÉRAUD, Jean-Alain. A New Approach of Innovation: from the Knowledge Economy to the Theory of Creativity Applied to Territorial Development. Journal of the Knowledge Economy, p. 1-17, 2016.
CATACALIVRE. Disponível em: . Acesso: 22 jan. 2017.
KILIMNIK, Zélia Miranda; DE OLIVEIRA, Luiz Claudio Vieira; DOS SANTOS NETO, Silvino Paulino. Transição da docência para o empreendedorismo: motivos e dinâmicas de inserção. Revista de Carreiras e Pessoas (RECAPE). ISSN 2237-1427, v. 6, n. 1, 2016.
LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 1988.
NORTHOUSE, Peter Guy. Leadership: Theory and practise. Sage Publications, Inc.: 3 ed. 2004.
MARROCU, Emanuela; PACI, Raffaele. Education or creativity: What matters most for economic performance? Economic Geography, v. 88, n. 4, p. 369-401, 2012.
MAYRA, F. (2008). An Introduction to Game Studies: Game in Culture. London: SAGE.
MUZZIO, H. C.; PAIVA JR., F. G. A Gestão da Criatividade que Articula o Indivíduo, a Liderança Transformacional e a Cultura Criativa: Uma Tríade Teórica e Expectativas Práticas, no prelo, 2015.
MUZZIO, Henrique. Indivíduo, Liderança e Cultura: Evidências de uma Gestão da Criatividade/Individual, Leadership and Culture: Evidence of Creativity Management. Revista de Administração Contemporânea, v. 21, n. 1, p. 107, 2017.
NUNES, João Arriscado. Como pensar a sociedade de conhecimento?. Proposições, v. 18, n. 1, p. 29-40, 2016.
PETERSON, Richard A. Revitalizando o conceito de cultura. Revisão anual da sociologia, v. 5, n. 1, p. 137-166, 1979.
PINTO, C. Empowerment, uma prática de serviço social, 1988. BARATA, O. (coord), 1988.
PRICEWATERHOUSE COOPERS (PwC). Global entertainment and media outlook 2014-2018 Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.
POLICARPO, Renata Veloso Santos et al. Mudança organizacional: os efeitos dos estilos de liderança no comportamento dos trabalhadores. Revista Economia & Gestão, v. 16, n. 45, p. 78-102, 2016.
RICKARDS, Tudor. Creativity and the management of change, Oxford: Blackwell, 1999.
SHAW, A. What is video game culture? Cultural studies and game studies. Games and Culture, v. 5, n. 4, p. 403-424, 2010.
SERVA, Maurício. A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 18-30, abr./jun. 1997.
SERVA, Maurício, JAIME JÚNIOR, Pedro. Observação participante e pesquisa em administração: uma postura antropológica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 64-79, maio/jun. 1995
SHAMIR, B. The charismatic relationship: alternative explanations and predictions. Leadership Quarterly, Oxford, v. 2, n. 2, p. 81-104, Apr./Jun. 1991.
SIEBERT, Sabina; WILSON, Fiona. All work and no pay: consequences of unpaid work in the creative industries. Work, employment and society, v. 27, n. 4, p. 711-721, 2013.
SOUBA, Wiley W. The phenomenology of leadership. Open Journal of Leadership, v. 3, n. 04, p. 77, 2014.
STERNBERG, Robert J.; KAUFMAN, James C.; PRETZ, Jean E. A propulsion model of creative leadership. Creativity and innovation management, v. 13, n. 3, p. 145-153, 2004.
TERRA, José C. C. Gestão da Criatividade. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n. 3, p. 38-47, jul./set. 2000.
TRICE, Harrison M.; BEYER, Janice M. Studying organizational cultures through rites and ceremonials. Academy of management review, v. 9, n. 4, p. 653-669, 1984.
VILELA, J. R. P. X. O líder e a liderança: uma investigação orientada pela dialética negativa de TW Adorno. 2012. Tese de Doutorado. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), Belo Horizonte, MG, Brasil.
VIZEU, Fabio. Uma aproximação entre liderança transformacional e teoria da ação comunicativa. Revista de Administração Mackenzie (Mackenzie Management Review), v. 12, n. 1, 2010.
VOORHEES, Gerald A. I Play Therefore I Am: Sid Meier's Civilization, Turn-Based Strategy Games and the Cogito. Games and Culture, v. 4, n. 3, p. 254-275, 2009.
WANG, Peng et al. A workgroup climate perspective on the relationships among transformational leadership, workgroup diversity, and employee creativity. Group & Organization Management, v. 38, n. 3, p. 334-360, 2013.
WILLIAMS, R. Key words: A vocabulary of culture and society. London, England: Fontana, p. 345-413 1976.
WHITING, Bruce G. Creativity and Entrepreneurship: How do they relate? The Journal of Creative Behavior, v. 22, n. 3, third quarter, p. 178-83, 1988.
HENDRICKS, Sean Q.; WINKLER, W. Keith (Ed.). Gaming as culture: Essays on reality, identity and experience in fantasy games. McFarland, 2006.
YANG, Hsin-Yen. Re-interpreting Japanomania: Transnational media, national identity and the restyling of politics in Taiwan. 2010.
YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. 11-65.
Publicado
2020-02-04